segunda-feira, 25 de setembro de 2017

'As polêmicas da CPI em Jataúba' no Editorial da Semana
Nos últimos meses a cidade de Jataúba no Agreste de Pernambuco não respira outra coisa a não ser a tão falada CPI, o grande problema é que diante um assunto tão sério muitos dos envolvidos não sabem de fato o que é uma CPI, o assunto ganhou notoriedade nos principais veículos de imprensa locais e também da região, nas ruas, esquinas, malas, rodas de conversa não se fala de outra coisa e a cada reunião que acontece na câmara de vereadores se cria a expectativa se começa ou não a tão falada investigação dos carros pipas de trocas de pneus e câmaras de ar.

O que fica claro é que a CPI nem começou e já trouxe muito desgaste e prejuízos para a imagem da casa Inácio Viterbo de Araújo, uma pena, pois, ao longo da história todos os vereadores que passaram pela casa deixaram o seu legado e exemplo de honradez pelos votos que os levaram até lá, hoje, o que vemos como reflexo de algo desconhecido pela maioria dos parlamentares (Digo a CPI) é uma câmara que ganhou o título de ‘BOLA MUCHA’ pela imprensa da região pelo simples fato de uma confusão generalizada ao fim de uma reunião há 15 dias, que sem dúvidas é reflexo da tal CPI que acirrou os ânimos dos nobres pares.

De um lado oposicionistas que defendem a todo custo à participação do vereador Maviael na comissão inclusive abrindo mão dos seus direitos de participar da investigação, para a oposição o que está havendo é uma manobra por parte do presidente da casa para beneficiar o prefeito que segundo eles está com medo de ser investigado, depois da última reunião os vereadores Zuza do Jacú e Maviael entraram com um mandado de segurança contra a decisão do presidente da casa quanto a escolha dos membros para compor a CPI.

O porque só os dois vereadores? 

E os demais? 

Porque nenhum dos outros quatro vereadores quis fazer parte da comissão? Afinal foram eles que pediram a CPI, estariam os mesmos fugindo de suas responsabilidades?

Por outro lado os situacionistas defendem a participação do vereador Jackson na CPI o que foi motivo de contestação pelo fato do mesmo ser filho do prefeito, Jackson não abre mão da sua participação que, diga-se de passagem, no âmbito jurídico até então não foi apresentado nada que o impeça. 

Em entrevista recente o prefeito Antônio de Roque afirmou que o vereador Zuza envergonhou a CPI pelo fato de ter pedido a mesma e ao mesmo tempo não ter aceitado participar dela. Dentro do grupo a tônica é, vamos começar logo essa CPI assim tudo fica esclarecido o mais rápido possível. Para alguns o prefeito foi inteligente e jogou a bomba nas mãos de Zuza que sempre em seus discursos fala que o prefeito está com medo da CPI.

No meio de tudo está o presidente da casa que tenta conduzir o processo na maior serenidade possível e cumprir a risca o diz as leis, Constituição Federal, Lei Orgânica do Município e Regimento Interno da Câmara e ao que parece vem fazendo isso até o momento.

 Alheio a tudo está a população que vem sendo desrespeitada com toda essa situação, pois, ao invés de está se discutindo projetos importantes para o bem-estar da população o que se ver na maioria das vezes são trocas de farpas e um desrespeito tremendo aqueles que confiaram um voto aos que hoje são representantes do povo, vale ressaltar que o imbróglio todo com relação a isso se dá pela participação ou não dos vereadores Jackson e Maviael.

Aí eu pergunto para ambas as partes existe medo dos mesmos ou os outros não são capazes? 

Estariam os demais fugindo das suas responsabilidades?

Jota Silva / Agreste No Ar


Nenhum comentário:

Postar um comentário