terça-feira, 5 de setembro de 2017

Edson Vieira e Diogo Moraes em palanques opostos em 2018

Pela conjuntura política que está se formando para as eleições de 2018 em Pernambuco, teremos grandes mudanças a nível estadual que provocarão rachas em várias cidades. 

A grande Frente de partidos que deram a vitória ao atual governador Paulo Câmara (PSB), já começa a se desfazer para 2018. Câmara que já perdeu o apoio do PSDB e DEM está prestes a perder o PMDB, do vice-governador Raul Henry.

Entenda: Já é dada como certo o ingresso do senador Fernando Bezerra Coelho no PMDB, provocando grandes mudanças no processo eleitoral de 2018. Permite uma reviravolta no cenário que estava se desenhando para o projeto de reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). Sem o PMDB em sua coligação, o PSB perde um expressivo tempo na propaganda eleitoral.

Com a mudança de Bezerra Coelho do PSB para o PMDB, poderemos ter a formatação do chamado G-4, a unidade de quatro partidos de oposição – DEM, PSDB, PTB e PMDB – para enfrentar o governador Paulo Câmara, que disputa a reeleição, em 2018.

Com essa união o grupo passa a ter várias opções para a chapa majoritária – Uma delas seria o Ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, que deve acompanhar o pai rumo ao PMDB, como candidato a governador, Armando Monteiro entraria na chapa como postulante à reeleição e Jarbas seria o segundo candidato ao Senado.

Já o PSDB, representado pelo ministro das Cidades, Bruno Araújo, que também pode ser o candidato a governador, a senador ou a vice-governador. Mendonça Filho, por fim, como principal liderança do DEM, será colocado na mesa como candidato a governador e a senador.

Outra mudança seria a reaproximação entre PSB e PT. Em visita ao estado, Lula já se reunião com Câmara e família Campos, visando a união das duas siglas para 2018. Caso se confirme o G-4, o PT ficará isolado, só restando fortalecer a chapa do PSB e tentar recuperar o espaço perdido. Neste caso, Lula teria um palanque forte no estado e o PT poderá fazer pelo menos três deputados federais.

Essa leitura se faz necessária para entendermos como ficaria aqui na Capital da Moda. Se confirmando essa conjuntura e Diogo Moraes (PSB) ou Edson Vieira (PSDB) não mudando de partido, os atuais aliados a nível local, poderão estar em lados opostos em 2018: Edson estará com Armando Monteiro e Diogo, Júnior Gomes e Toinho do Pará, estarão no palanque do PT, que aqui em Santa Cruz do Capibaribe, é representado pelos vereadores Ernesto Maia e Deomedes Brito.


Por Marciel Aquino


Nenhum comentário:

Postar um comentário