sábado, 23 de setembro de 2017

Ministério Público recorre e pede cassação de Edson Vieira, Dida de Nan e Joab do Oscarzão
Juiz eleitoral havia sentenciado os envolvidos a pagarem apenas multas.

Conforme o Blog do Bruno Muniz já havia adiantado na última quarta-feira (20), o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) de fato recorreu em relação a decisão do juiz eleitoral Flávio Krok Franco, que optou por apenas multar o atual prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira (PSDB), o vice-prefeito Dida de Nan (PSB) e o vereador Joab do Oscarzão (PSD) em um caso de suposta irregularidade ocorrido na campanha eleitoral de 2016
Confira um trecho relevante do documento:  
Foto: Reprodução

O MPPE apelou argumentando uma série de fatores que podem ter interferido no resultado final do pleito de 2016, em Santa Cruz. Neste contexto, o órgão ressalta que a diferença nas urnas entre os candidatos da majoritária foi de apenas 2% dos votos, um resultado acirrado que agrava ainda mais o teor do julgamento.

Ainda para o Ministério Público, a postura dos políticos durante um evento realizado pelo Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST), na casa de recepções Glamour, em Santa Cruz do Capibaribe, certamente se caracteriza como 'sugestão' para votação, já que números de registro de candidaturas teriam sido proferidos por pelo menos dois dos citado na condição ainda de candidatos.

Foto: Reprodução

Em um outro trecho da documentação encaminhada ao juiz de direito titular da 109ª Zona Eleitoral de Pernambuco, o MPPE afirma que:

"Entendemos, portanto, que ficaram devidamente provados os fatos, os quais são graves o suficiente para ensejar a aplicação da sanção de cassação dos diplomas que foram conferidos aos recorridos, visto haverem sido obtidos mediante a utilização de práticas políticas que desvirtuaram o processo eleitoral." 

O Blog do Bruno Muniz entrou em contato com a Assessoria de Comunicação do prefeito Edson Vieira, e está aguardando um comunicado formal sobre o caso. O vereador Joab do Oscarzão também foi notificado pela nossa equipe de reportagem sobre o novo capítulo processual.


Bruno Muniz


Nenhum comentário:

Postar um comentário