quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Posição de partidários fragiliza Bruno Araújo na corrida pelo Senado
Radar Político (13/09) – Posição de partidários fragiliza Bruno Araújo na corrida pelo Senado
Para fortalecer o seu nome como um possível candidato a uma das duas vagas ao Senado pela chapa da oposição, o ministro Bruno Araújo (Cidades) precisa resolver ao menos alguns problemas internos em seu partido, o PSDB.

Um deles é exigir dos únicos dois deputados estaduais da sigla uma postura de oposição ao Governo do Estado, algo bem diferente da conduta de Terezinha Nunes e Antônio Moraes na ALEPE, onde se comportam como aliados do Palácio.

Outro impasse que Bruno precisa resolver é com Elias Gomes, que ontem, em nota enviada ao Blog, não poupou críticas a forma como está sendo conduzido o partido, dizendo inclusive que o partido está parado e que não possui debate interno.

Em tom ácido o ex-prefeito de Jaboatão chegou a reprovar a quebra do acordo que deveria conduzi-lo ao comando estadual da sigla e apontou que o PSDB deveria deixar de ter a função de coadjuvante na política pernambucana para assumir um papel de protagonismo, neste sentido chegou a se colocar inclusive como alternativa para disputar o Governo do Estado, expondo assim uma grave crise interna, o que por sua vez fragiliza ainda mais a liderança de Bruno Araújo.

Se por um lado a postura dos deputados estaduais constrange aquele que se coloca como alternativa pela oposição, por outro a divergência que se criou com Elias Gomes passa a imagem de que Bruno possui sérias dificuldades de cumprir acordos, o que na política não é visto com bons olhos.

É bem verdade que tais problemas não retiram Bruno da corrida, no entanto a exposição de fragilidades é aquilo que nenhum candidato deseja, principalmente num momento em que nomes de peso se movimentam para tentar ocupar este espaço na chapa oposicionista que tem nos senadores Fernando Bezerra Coelho (PMDB) e Armando Monteiro (PTB) os principais fiadores.

Assédio –
Tem sido taxada de desrespeitosa a forma acintosa com que João Campos, pré-candidato a deputado federal, está avançando sobre as bases de deputados federais na Mata Sul. Há casos em que a descortesia tem atingido até aliados históricos do PSB. Recai sobre o jovem político a acusação de está utilizando de forma desleal a máquina na tentativa de cooptar prefeitos, ex-prefeitos e até vereadores.


Escrito por Wellington Ribeiro


Nenhum comentário:

Postar um comentário