segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A nova estratégia da oposição com vistas ao governo de Pernambuco em 2018
A oposição ao governador Paulo Câmara (PSB) , que possui o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB), o senador Armando Monteiro (PTB) e os ministros Mendonça Filho (DEM), Bruno Araújo (PSDB), Raul Jungmann (PPS) e Fernando Filho (ainda no PSB), entendeu que seria muito cedo determinar o candidato a governador neste momento, e aquele que fosse apresentado como antagonista de Paulo Câmara sofreria petados desnecessários do Palácio.

Diante do exposto, em vez de apresentar um nome ou dizer que não tem nome definido, a oposição adotará a partir de agora uma postura que tende a surtir mais efeito, pois ajuda a fortalecer seus respectivos partidos e consequentemente os projetos dos seus atores para 2018. Atuar na condição de pré-candidato contribui para o político apresentar uma perspectiva de poder e ajuda a diminuir a resistência a um único nome.

Então a partir de agora Armando Monteiro será visto como candidato a governador do PTB, Bruno Araújo do PSDB, Mendonça Filho do DEM e Fernando Bezerra Coelho do PMDB. Eles estarão em tese separados em busca do mesmo cargo mas com o objetivo de fragilizar Paulo Câmara. Como quem tem prazo não tem pressa, todos ficarão nesta condição de pré-candidatos até meados de abril, quando o quadro estará mais cristalino e se saberá o tamanho da rejeição, das intenções de voto e do potencial de crescimento de cada nome.

Como existem quatro vagas na chapa majoritária de 2018, há condições de todos serem abrigados num projeto que visa quebrar a hegemonia do PSB em Pernambuco que já dura doze anos. Também não está descartada a apresentação de duas candidaturas da oposição tal como ocorreu em 2006 e acabou surtindo efeito. Neste cenário haveria uma forte possibilidade de forçar novamente um segundo turno contra Paulo Câmara, que por ser governador tende a chegar a segunda etapa.

Mendonça Filho e Bruno Araújo na condição de pré-candidatos a governador, estarão garantindo recall para seus projetos, pois vale salientar que eles voltarão para a planície da Câmara Federal em abril e perderão o poder da caneta. Até mesmo uma candidatura a reeleição não estará descartada, mas todos ficarão fortalecidos. Em 2006 na fase pré-eleitoral tínhamos Sergio Guerra pelo PSDB, Inocêncio Oliveira pelo PR e Armando Monteiro pelo PTB, que apoiaram oficialmente Mendonça Filho, Eduardo Campos e Humberto Costa, respectivamente. 

Eles desistiram dos projetos porque não cabiam tantos candidatos, e acabaram fortalecendo seus apoiados. Naquele pleito apenas Sergio Guerra não disputou mandato porque estava no meio do mandato de senador, mas tanto Armando quanto Inocêncio foram federais e ficaram como os dois mais votados do pleito.

Se fragmentando neste momento, a oposição não tem nada a perder, muito pelo contrário. Estará adotando uma estratégia que foi bem sucedida na eleição que iniciou o atual ciclo de poder do PSB em Pernambuco.


Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário