domingo, 26 de novembro de 2017

O reposicionamento de forças em Pernambuco
Em 1994, Pernambuco presenciou um projeto embrionário de coligação para derrotar Miguel Arraes, que mesmo sem lograr êxito no estado, ganhou força para disputar com chances de vitória no pleito seguinte, embalado pelo governo federal liderado por Fernando Henrique Cardoso. Em 1998, Jarbas Vasconcelos liderando a União por Pernambuco numa aliança com o PFL derrotou Miguel Arraes.

Essa correlação de forças foi mantida até 2002, com a reeleição de Jarbas e a vitória de Marco Maciel e Sergio Guerra para o Senado. Porém no plano nacional, Lula venceu para presidente e fortaleceu Humberto Costa e Eduardo Campos. Passada a eleição, houve uma dissidência na União por Pernambuco com o chamado Grupo Independente composto por José Múcio, Armando Monteiro, Luiz Piauhylino, Joaquim Francisco e Roberto Magalhães.

Este grupo disputou e perdeu a prefeitura do Recife com Joaquim Francisco em 2004, dois anos depois, apesar de algumas defecções, como a volta de Roberto Magalhães e Joaquim Francisco para o PFL, este grupo ficou sob a liderança de Armando Monteiro, que sinalizou disputar o governo mas acabou recuando para apoiar Humberto Costa, que morreu novamente na praia, mas decidiu apoiar Eduardo Campos para o governo. Além destes apoios, Eduardo já havia conquistado o apoio de Inocêncio Oliveira e de Severino Cavalcanti, que estavam até o pleito anterior amparados no grupo de Jarbas.

A correlação de forças liderada por Eduardo, tendo Armando Monteiro e Humberto Costa eleitos na chapa seguinte, só durou até 2011, quando Eduardo fez movimento de reaproximação com Jarbas e acabou tirando Humberto Costa do seu arco de forças. Dois anos depois, já com a vitória de Geraldo Julio no Recife, Eduardo montou a maior frente política da história de Pernambuco, novamente sem o PT de Humberto Costa e também sem o PTB de Armando Monteiro, que enfrentaria Paulo Câmara, o seu escolhido para sucedê-lo.

A morte de Eduardo não impediu a vitória do PSB em Pernambuco, porém novamente houve um movimento de recomposição de forças, primeiro com a saída de DEM e PSDB da Frente Popular em 2016 e posteriormente a saída de Fernando Bezerra Coelho do PSB, que junto com Mendonça e Bruno Araújo, está afinado com o senador Armando Monteiro. O time dos ministros mais Armando está cada vez mais unido e afinado para as eleições de 2018.

Em contrapartida, o PSB faz um movimento de reaproximação com o PT, depois de seis anos distanciados. O governador Paulo Câmara vem dialogando abertamente com o partido e deverá tê-lo em sua coligação para compensar a perda do PMDB, que ficará sob o controle de Fernando Bezerra Coelho, virtual candidato da oposição a governador. E mais uma vez Pernambuco vivencia um novo arranjo de forças políticas, cujo grupo vencedor terá reflexo direto nas eleições seguintes em nosso estado.


Informações Edmar Lyra


Nenhum comentário:

Postar um comentário