domingo, 18 de fevereiro de 2018

Coluna de sábado "Quem poderá me responder?"

A partir de agora todos os sábados o blog agreste no ar traz a coluna ‘quem poderá me responder’, um artigo que tem como objetivo buscar respostas sobre algumas coisas que acontecem no setor público que são do interesse da população e muitas vezes ficam obscuras, semanalmente três assuntos serão levantados e deixaremos as interrogações no ar para que quem de direito possa responder e também para que o cidadão abra o olho com as coisas que acontecem no dia-a-dia e muitas das vezes passam despercebidas.
Que o carnaval de Jataúba mais uma vez foi sucesso todo mundo já sabe, a alegria tomou conta dos blocos pelas ruas da cidade e alguns Distritos, o grande destaque desse ano foi o bloco Jacu folia que levou uma multidão as ruas da Vila do Jacu, porém, a interrogação que deixamos fica em torno do bloco flutuar um dos principais do município, mais uma vez o bloco teve a sua concentração no clube municipal e para ter acesso os foliões tinham que pagar o valor de R$5 reais por um copo, até aí tudo bem, mas, depois da festa quem fez a limpeza do clube já que o bloco é particular? 


Foram pessoas contratadas pelo bloco ou funcionários da prefeitura? 

Outra coisa que ninguém entendeu foi o fato da prefeitura não ter disponibilizado banheiros químicos durante o evento, fazendo com que pessoas que participaram da festa fizessem as suas necessidades em via pública.
Um dos assuntos mais falados nos meses que antecederam 2018 foi à buraqueira e falta de sinalização horizontal e vertical da PE-160, pois bem, depois de várias polêmicas e cobranças o deputado Diogo Moraes anunciou que uma operação seria feita na via que liga Santa Cruz do Capibaribe a Jataúba, tudo isso se deu depois de uma reunião que o mesmo teve com o líder político Fábio Mamão que teria apresentado a demanda, o fato é que meses já se passaram e a única coisa que aconteceu foi aumentarem os buracos causando risco de acidentes, interessante que na época todo mundo falava do assunto e agora está esquecido. 

Será que a obra será feita apenas às vésperas das eleições?

 Onde estão aqueles que comemoraram a execução da obra que não falam nada?
Hoje na região do polo de confecções não se fala em outra coisa a não ser o incidente que aconteceu no calçadão Miguel Arraes quando parte do teto desabou, um local que até então foi bandeira de campanha pra muita gente o que se ver no momento é cada um tirando o corpo fora, o governo do estado joga pra prefeitura, que joga pra construtora, que não se pronuncia, a prefeitura joga pra o deputado e o que se sabe de fato é que centenas de famílias vão ficar no prejuízo já que segundo informações o prazo mínimo para que os feirantes possam voltar ao seu local de trabalho é de 60 dias.

 E até lá onde esses pais de família irão comercializar os seus produtos? 

Quais as garantias que os feirantes dos outros setores do calçadão tem de que estão seguros? Quem de fato é o grande responsável, já que a obra tem tantos pais?

Esses são os pontos abordados essa semana, aos órgãos competentes nos colocamos a disposição para os esclarecimentos necessários através dos canais de comunicação do blog. (email- jose.decristo@hotmail.com e Zap: 81 98275-5994).

Jota Silva / Agreste No Ar


Nenhum comentário:

Postar um comentário