segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Jarbas Vasconcelos dependerá fortemente da votação de Paulo Câmara para chegar ao Senado
O deputado federal Jarbas Vasconcelos desde 2014 que planejou ser candidato a senador em 2018, pois gostou muito do cargo e pretende voltar ao posto a partir de janeiro de 2019, mas é importante fazer algumas considerações sobre o ex-governador e sobre as eleições anteriores para avaliar seu potencial e suas chances de chegar ao mandato.

Historicamente todos os governadores eleitos obtiveram mais votos do que aqueles que foram escolhidos para o Senado, Miguel Arraes em 1986, Joaquim Francisco em 1990, Miguel Arraes em 1994, Jarbas Vasconcelos em 1998 e 2002, Eduardo Campos em 2010 e Paulo Câmara em 2014. De todos os governadores eleitos, apenas Miguel Arraes em 1994 e Eduardo Campos em 2006 não elegeram os senadores da sua chapa.

Os pontos fora da curva foram a vitória de Carlos Wilson para o Senado desbancando Roberto Freire, eleito em segundo lugar, e Armando Monteiro Filho, que amargou o terceiro lugar, ambos da chapa de Arraes. É importante ressaltar que o eleitor identificou a relação de Cali com Arraes, pois eles haviam composto a chapa de 1986 e Cali havia sido governador sucedendo Arraes. O segundo ponto fora da curva foi a vitória de Jarbas em 2006, que não tinha adversário competitivo e tinha sido um governador muito bem avaliado. Ainda assim, foi puxado pra baixo por Mendonça Filho, uma vez que iniciou com 75% de intenções de voto para o Senado e acabou sendo eleito com 56%.

Num cenário de três pré-candidaturas postas a governador, tendo Armando Monteiro, Fernando Bezerra Coelho e Paulo Câmara, é provável que sejam lançadas seis candidaturas ao Senado com três a quatro nomes competitivos. Na hipótese de Jarbas e João Paulo serem os senadores de Paulo, é possível afirmar que João Paulo caminha para ser o mais votado da chapa, uma vez que demonstrou força eleitoral em 2014 e 2016 mesmo sendo derrotado teve resultados representativos considerando as peculiaridades da eleição, agora com a estrutura do governo, João Paulo poderá ter melhor sorte, Jarbas por sua vez é um tipo de candidato que gosta de disputar eleições sem suar a camisa, não gosta de fazer articulações nem de atos políticos, a impressão que passa é que ele não tem mais interesse no miúdo da política. Então há uma sinalização clara de deputados e prefeitos mesmo da Frente Popular sem ter o menor entusiasmo em fazer campanha pra ele pois sabem que será um senador que não se pode contar, diferentemente de Sergio Guerra, Armando Monteiro e o próprio Fernando Bezerra Coelho que possuíam um perfil de maior proximidade com a classe política.

Atrelado a isso, vale salientar que em 2014 Jarbas era candidato de 120 mil votos, somente atingindo 227 mil depois da morte de Eduardo que realizou uma força tarefa para salvar a pele de Jarbas naquele pleito. O eleitor órfão da referência de Eduardo acabou votando em Jarbas, mas hoje não existe mais esta comoção, além disso, Jarbas faz um mandato em Brasília infinitamente mais apagado do que a sua última passagem pelo Senado. Nas eleições deste ano, caso Jarbas seja mesmo candidato a senador, ele dependerá fortemente de uma expressiva vitória de Paulo Câmara no primeiro turno para voltar ao mandato e circular no salão azul. Se Paulo for ao segundo turno, é extremamente arriscada a vitória de Jarbas para o Senado.



Edmar Lira



Nenhum comentário:

Postar um comentário