quinta-feira, 8 de março de 2018

Oposição precisa apresentar um conceito de estado para vencer a eleição 

A decisão da oposição ao governador Paulo Câmara de lançar apenas uma candidatura ao governo anunciada no último sábado traz a necessidade de uma reflexão sobre como o grupo oposicionista, representado por Armando Monteiro, precisará se apresentar para vencer a eleição em outubro. Nas eleições de 2006 quando tivemos uma mudança de comando no estado que deu início a atual hegemonia do PSB foi fundamental Eduardo Campos vender a ideia de um novo Pernambuco que visava a construção de três hospitais, a redução da conta de energia, a redução da passagem, o enfrentamento à criminalidade e a ampliação da oferta de transporte público.

Foram eixos com forte apelo popular que impulsionaram Eduardo Campos naquele pleito. Quando as pessoas olhavam para Eduardo enxergavam que ele poderia representar o sentimento de mudança que estava presente naquela época e por isso compraram a ideia que acabou permitindo uma das mais belas vitórias das eleições no estado.

Seis anos depois da vitória de Eduardo, amparado pela confusão do PT, o então governador tirou do seu colete Geraldo Julio para disputar a prefeitura do Recife. Os eixos não eram muito diferentes do que Eduardo apresentou na sua primeira vitória para governar Pernambuco. Além de enaltecer os feitos de Geraldo nas secretarias de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, o PSB vendeu um conceito de cidade que iria seguir no mesmo ritmo que o estado, com a construção do Hospital da Mulher, as Upinhas 24 horas, os Compaz, dentre outros temas de grande apelo popular.

O projeto foi igualmente vitorioso e tirou uma hegemonia do PT que já durava doze anos mas dava claros sinais de esgotamento. Nas eleições de 2018 os maiores gargalos de Paulo Câmara são a segurança pública e a saúde, tal como eram em 2006. Mas dizer que irá resolver a segurança porque não está funcionando é muito vago, portanto Armando Monteiro precisa vender a imagem de um líder com visão administrativa e política para trazer as soluções que o estado necessita.

Armando Monteiro hoje representa o político ficha limpa, o homem de credibilidade que pode apontar um caminho para o estado diferente do que hoje é representado por Paulo Câmara. É preciso que Armando convença o eleitor a experimentar um novo modelo de gestão para o estado, que represente um conceito diferente do que está posto para que o eleitor possa de fato optar pelo projeto oposicionista. Armando pode fazer um programa de cinco eixos como o emprego, a segurança, a saúde, a educação e o desenvolvimento de todas as regiões. E partir destes eixos apresentar subdivisões que possam convencer o eleitor a prestar mais atenção nele, e posteriormente enxergar que Armando é um caminho diferente e seguro para o estado trilhar a partir de janeiro de 2019.

Se a eleição for pautada pelas críticas genéricas ao PSB, como temos observado nesta fase de pré-campanha, sem apresentação de um projeto consistente, é possível que o eleitor possa continuar com o que está vigente, uma vez que as pessoas têm medo do desconhecido, só optando por um projeto diferente se ele for apresentado de forma eficiente e convincente, como algo bem parecido com a carta ao povo brasileiro apresentada por Lula para chegar a presidência da República em 2002.



Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário