terça-feira, 6 de março de 2018

Palácio quer diminuir influência de Guilherme Uchoa 

No início do governo Paulo Câmara, pouca gente lembra, mas o PSB que havia elegido 15 deputados estaduais não queria o quinto mandato de Guilherme Uchoa, tanto é que incentivou a candidatura de Waldemar Borges para a presidência, quando percebeu que não tinha a menor chance de derrotar Guilherme no voto, abdicou de lançar candidato e impôs Lula Cabral para a primeira-secretaria. No voto, Guilherme ajudou Diogo Moraes e praticamente casou a sua votação, garantindo a vitória de Diogo, que recebeu um veto explícito do Palácio mas bateu chapa e venceu a disputa.

De lá pra cá a relação entre Palácio e Guilherme nunca foi muito boa. E mesmo Guilherme tendo conquistado o sexto mandato, a ordem entre os aliados do governador é diminuir a força de Guilherme dentro da Assembleia Legislativa de Pernambuco. Para isto já está sedimentado que desta vez o Palácio terá candidato próprio e não aceitará que ele conquiste o sétimo mandato. Mais do que isso, o governo já decidiu que se Guilherme quiser, entra no PSB, mas se não quiser, a porta da rua é a serventia da casa. Uma fonte palaciana afirmou que o governo já não suporta mais Guilherme e acredita que já passou da hora dele perder o protagonismo na Casa Joaquim Nabuco.

A questão da chapinha de federal, que foi fruto de uma grande confusão, é prego batido e ponta virada. O governo já percebeu que só terá o apoio irrestrito dos candidatos de menos votos se houver a chapinha, e entende que é melhor para a reeleição do governador que ela ocorra. A afirmação do Palácio ao presidente da Alepe de que a chapinha não existirá foi a maneira que encontrou para que esta situação seja empurrada com a barriga até o próprio Guilherme se dar conta de que a situação já está resolvida.

O Palácio também avalia que Guilherme a essa altura da vida não terá coragem de romper e por isso ele aceitará a chapinha de bom grado, mas se eventualmente romper com o governador, Junior Uchoa terá que se contentar com os movimentos que ocorrerão em cima das suas bases por parte de aliados do governo. O governo quer ganhar a eleição e quer ter maior peso na situação da mesa diretora e da própria Assembleia no novo governo, uma vez que considera a possibilidade de emplacar tanto o presidente quanto o primeiro-secretário, e relegar a Guilherme um papel de coadjuvante no processo da Casa Joaquim Nabuco.



Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário