sábado, 26 de maio de 2018

Mesmo rifada, Marília Arraes já é a grande vencedora de 2018

Após a vitória de Eduardo Campos em 2006, onde Marília, então estudante da Faculdade de Direito do Recife, teve atuação destacada, ela foi ungida pelo PSB para disputar um mandato de vereadora do Recife em 2008 . Ainda muito jovem, Marília sagrou-se vitoriosa com uma expressiva votação. Já na eleição seguinte teve uma redução de votos, mas conseguiu a reeleição.

Foi alçada ao posto de secretária de Juventude de Geraldo Julio onde ficou um ano, quando decidiu deixar a pasta para tentar viabilizar uma candidatura a deputada federal. Naquele momento, Marília teve o seu desejo negado por Eduardo Campos e acabou rompendo com o primo. Marília, vale salientar, teve uma coragem que nem todo político ousaria ter, que foi romper com Eduardo no auge dele.

Passada a morte de Eduardo e a vitória de Paulo Câmara, Marília seguiu no PSB mas virou oposição a Geraldo Julio e a Paulo Câmara até optar por sair do partido para filiar-se ao PT. Assim como em 2014 quando rompeu com Eduardo, Marília deu outra demonstração de coragem quando, no auge da impopularidade petista, entrou no partido. Essas atitudes serviram para mostrar que Marília era diferenciada e isso fez dela alguém que merecesse a confiança da população.

Apesar de muitos afirmarem que ela seria derrotada em 2016, Marília teve o seu melhor desempenho na busca pelo terceiro mandato de vereadora, quando ficou entre as mais votadas do Recife e com a derrota de João Paulo para Geraldo Julio e a perda de muitos vereadores do PT, ela se credenciou como uma importante liderança política do partido. Por ser mulher, jovem e neta de Arraes, e sem um nome do PT para ofertar qualquer perspectiva política em Pernambuco, Marília virou um nome natural do partido para se colocar como alternativa para a eleição de 2018.

Ocorre que a sua pré-candidatura a governadora tomou uma proporção gigantesca e que chamou a atenção do PSB. O senador Humberto Costa enxergou em Marília Arraes o seu passaporte para tentar a reeleição pela Frente Popular e em vez de apoiar a pré-candidatura dela, como no início, passou a trabalhar contra, querendo entregar a cabeça de Marília de bandeja ao PSB. A rifada de Marília está encaminhada porque existe um desejo conjunto do PT e do PSB e pesa a favor da aliança a reaproximação nacional dos dois partidos.

Mesmo sendo rifada, Marília Arraes poderá ter sem sustos um mandato de deputada federal pelo PT, motivo do seu rompimento com Eduardo Campos. A diferença é que se em 2014 ela provavelmente seria eleita a reboque do primo, em 2018 ela chegará ao mandato por méritos próprios, e pode ser considerada a grande vitoriosa em Pernambuco. Marília terá a condição de vítima de um processo político, que dará mais do que um mandato de deputada federal em outubro, que será o protagonismo da política estadual pelos próximos anos.


 Em suma, a não candidatura em 2014 fez de Marília uma política diferenciada, e em 2018 a não candidatura a governadora lhe permitirá o mandato e uma relevância que jamais sonhou ter no estado. Queiram ou não queiram os juízes, Marília Arraes já é a grande campeã de 2018.


Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário