segunda-feira, 7 de maio de 2018

MORRE NA TARDE DESTE DOMINGO, FRANCISCO AMARAL

Faleceu na tarde deste domingo (06), uma das maiores referências culturais de Santa Cruz do Capibaribe, considerado ‘o Pai da Comunicação’ da cidade, Francisco Samuel do Amaral aos 74 anos de idade.

Nas últimas semanas, Francisco Amaral estava com problemas respiratórios. No final da manhã de hoje, ele foi encaminhado da UPA de Santa Cruz do Capibaribe, até um hospital na cidade de Palmares, porém acabou falecendo poucas horas depois de dar entrada naquela unidade de saúde.
Biografia: Francisco Samuel do Amaral nasceu em 4 de fevereiro de 1944. Seus primeiros trabalhos radiofônicos foram em Caruaru na década de 60, principalmente na Rádio Cultura. Francisco chegou em Santa Cruz do Capibaribe em 1966, onde se firmou como referência na comunicação e espelho para jovens aprendizes e fundou a ‘AL Propaganda’.

Poucos tempos depois, ele percebendo a ausência de rádio no município, montou o seu sistema de divulgação e propaganda que consistia em difusoras em postes espalhados pelas ruas da cidade. A iniciativa serviu de escola para diversos radialistas de nossa cidade, a exemplos de Jota Oliveira, Geraldo Silva, Geraldo Costa e Ronaldo Pacas.
Francisco Amaral foi o principal responsável por organizar e expandir as quadrilhas de ruas de Santa Cruz do Capibaribe. Nas vaquejadas, ele foi considerado o maior locutor da região. Ele trabalhou nas Rádios Vale do Capibaribe AM, Comunidade FM e Santa Cruz FM.

Na política, Francisco foi candidato a Vereador em 1996, quando obteve apenas 85 votos. Em 2009, ele foi o homenageado do São João de Santa Cruz do Capibaribe, e no mesmo ano recebeu o Título de Cidadão Santa-cruzense pela Câmara de vereadores.

UM BREVE HISTÓRICO DE FRANCISCO AMARAL,POR EDSON TAVARES
Num tempo em que nem se cogitava a possibilidade de existir uma rádio em Santa Cruz do Capibaribe, que se servia radiofonicamente das três emissoras AM de Caruaru – Difusora, Cultura do Nordeste e Liberdade – e das três de Campina Grande – Cariri, Borborema e Caturité –, nascia o Serviço de Som Amaral Publicidade.

O embrião da comunicação falada em Santa Cruz surgiu de uma ideia persistente de Francisco Amaral, que alugou uma salinha na Av. João Francisco Aragão, em frente onde fica o Banco Itaú, e espalhou alto-falantes pelas ruas. Da Rua Grande até a Pe. Estima. Isso lá pelos idos dos anos 70...
Durante todo o dia, músicas e notícias enchiam os ares de Santa Cruz do Capibaribe. Ficou na minha memória de menino, e me vem nitidamente ainda hoje, os acordes musicais do noticiário, que era em cadeia com a Rádio Liberdade de Caruaru, sob o patrocínio (na rádio) da Sanepe (hoje Compesa); lembro-me dos malabarismos que o controlista tinha que fazer para suprimir a vinheta do patrocinador e substituir pelo patrocínio local.

À noite, um programa muito movimentado era o "De alguém para você", através do qual os jovens se ofereciam músicas. As pessoas colocavam cadeiras nas calçadas, para conversarem, em animadas “malas”, ouvindo as canções que Amaral tocava, noite adentro.
Além do serviço de som, e mais tarde, Amaral manteve uma parceria com Antonio Lopes do Nascimento, empresário do ramo de panificação (Padaria Flórida), pai da atriz Avani Lopes: tratava-se de "AL Propaganda", um carro de publicidade volante, pertencente a “Antonio Saturnino”, administrado pelo locutor.

Além disso, Amaral se destacou como gritador de quadrilha, nos bons tempos em que as quadrilhas de rua eram a grande atração do São João de nossa terra. Tudo começou no Club Treze de Maio (na artéria de mesmo nome, centro da cidade), saindo, em seguida, para as ruas, com a quadrilha do Mobral, entre outras, e acompanhado do sanfoneiro Rafael Lopes (pai de Avenor Lopes e integrante da caravana de Ivan Bulhões), e depois Biu Marcelino.

Por outro lado, as vaquejadas, narradas com presteza por Amaral, fizeram seu nome conhecido em toda a região, pois Chico sempre foi apaixonado por esta festa nordestina. Não posso falar muito desses eventos de “queda de boi”: por não gostar desse festejo, devo ter ido apenas a uma ou outra, mas nenhuma com a presença de Amaral.

Francisco Amaral também teve (mesmo sem o saber) grande parcela de importância na minha infância, eu que sempre fui um apaixonado por microfone, embora minha timidez e outros caminhos que me surgiram não me tenham permitido seguir essa carreira... mas ficava horas "aperuando" pelos estúdios, que funcionavam vizinho à serralharia de Zé de Duquinha, acompanhando os movimentos de locutores e controlistas, e me deliciando com aquele trabalho e com as músicas da época...
Francisco Samuel do Amaral, era natural da cidade de São Caetano-PE, pai de 22 filhos – frutos de diversos relacionamentos, é avô e bisavô. Recentemente, ouvindo uma rádio de Santa Cruz do Capibaribe, surpreendi-me com o vozeirão de Francisco Amaral apresentando um programa de músicas antigas. Disseram-me que continua gritando quadrilha, como só ele sabe fazer... Aliás, foi o homenageado do São João, no ano de 2009.
Por indicação de Fernando Aragão, a Câmara Municipal concedeu-lhe o título de Cidadão Santacruzense. É justa a homenagem, embora eu tenha reservas a esse lance de título de cidadão: acho que nem o Legislativo Municipal está aí para isso, nem também chega a ser uma grande homenagem, uma vez que se banalizou esse título (para terem uma ideia, até uma apresentadora de programas de misses, na década de setenta, chamada Carmem Tovar [alguém já ouviu falar?] foi agraciada com a "nobre" homenagem). Amaral é cidadão Santacruzense, sim, na prática, pelo seu valor e pelos serviços prestados a sua gente e a seu povo.
Como herança, Francisco Amaral vê sua obra tendo continuidade em dois de seus filhos, Fernando e Fabiano Amaral, que, nos passos do pai, são detentores de vozes potentes e talento ímpar na locução, e, assim como o genitor, atuam no ramo de comunicação em Santa Cruz do Capibaribe.


Edson Tavares / Ney Lima / Sulanca News



Nenhum comentário:

Postar um comentário