sábado, 2 de junho de 2018

Armando uniu a oposição para as eleições deste ano 
Pré-candidato a governador de Pernambuco, o senador Armando Monteiro em nenhum momento colocou sua postulação como irreversível, chegando a ter uma prudência até excessiva mesmo sendo um nome natural para representar o grupo oposicionista. As circunstâncias políticas acabaram fazendo dele o nome natural de um grupo que possui dois senadores, quatro ex-governadores, dez deputados federais, oito deputados estaduais e prefeitos de importantes cidades como Ipojuca, Caruaru, Petrolina, Camaragibe, São Lourenço da Mata, Belo Jardim, Araripina e Igarassu.

É indiscutível que Armando Monteiro exerce forte liderança e grande capilaridade no meio político, e sua característica serena, cordial e respeitosa, faz dele um candidato competitivo pela sua credibilidade política. São poucos políticos que conseguem liderar um grupo de deputados federais, estaduais e prefeitos tão representativo como o que Armando lidera, e esse foi mais um motivo que o credenciou para a disputa.

Se em 2014 Armando foi um candidato de mudança numa conjuntura do forte desejo de continuidade, em 2018 seu projeto representa o que representava em 2014, porém a conjuntura é de uma clara fadiga de material do PSB e naturalmente um desejo de mudança. Vale ressaltar que o partido hegemônico no estado não contará mais com a presença de Eduardo e muito menos com a comoção da sua morte que impulsionou Paulo Câmara rumo a vitória em 2014 e isso tem um peso fundamental.

Armando também contará com um verdadeiro leão de chácara na sua campanha, que é o também senador Fernando Bezerra Coelho que está com sangue nos olhos para derrotar o PSB e terá papel fundamental no Sertão para fortalecer ainda mais o projeto de Armando. Fernando sabe que a vitória de Armando será fundamental para a sobrevida do seu grupo político, e já deixou claro que empenho não faltará para o êxito de Armando Monteiro em outubro.

Apesar de haver críticas ao perfil de Armando, que é mais reservado, é importante lembrar que apenas Eduardo Campos foi um ponto fora da curva, sendo bastante carismático, Miguel Arraes, Jarbas Vasconcelos, Joaquim Francisco e outros governadores sempre foram sisudos e nem por isso deixaram de vencer suas eleições. Portanto, Armando não pode ser menosprezado porque tem argumentos plausíveis que o colocam como um candidato mais competitivo em 2018 do que foi em 2014.


Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário