sábado, 30 de junho de 2018

Candidatura de Marília Arraes atrapalha Paulo e Armando 

A pré-candidatura da vereadora Marília Arraes ao governo de Pernambuco caiu nas graças da população, que através das redes sociais demonstra bastante entusiasmo com o projeto apresentado pela neta de Arraes. O sucesso desta candidatura é fruto de um exaurimento do PSB, cuja hegemonia já dura doze anos no estado, mas também da falta de entusiasmo do eleitor com o projeto representado por Armando Monteiro, que mesmo tendo sido adversário do atual governador em 2014, foi incapaz de polarizar com Paulo durante três anos e meio, e segue sem fazer este contraponto.

A consolidação de Marília no jogo é ruim para os dois projetos representados por Paulo e Armando. Para o atual governador, a presença da vereadora consolida a existência do segundo turno, o que é um péssimo sinal para o socialista, cujas chances maiores passam por vencer no primeiro turno. Mas para Armando não é diferente, porque mesmo com toda retaguarda partidária, Armando corre um risco real de ficar de fora da segunda etapa perdendo a vaga para Marília, que já se apresenta com mais votos que ele nas pesquisas.

A população dá claras demonstrações de insatisfação com os políticos tradicionais, e por isso Jair Bolsonaro vem ocupando espaços cada vez mais significativos no plano nacional, e em Pernambuco Marília é quem tem canalizado toda esta insatisfação. O discurso de Marília tem aderência porque ela é coerente, corajosa, determinada, jovem e mulher. Para um estado de característica lulista, como Pernambuco, o projeto representado por Marília está caindo como uma luva.

Apesar de muitos dizerem que ela não vai a lugar nenhum porque não tem estrutura, é importante frisar algumas eleições que mostraram que a estrutura nem sempre prevaleceu. Tivemos em 2000 a vitória de João Paulo contra todo aparato de Roberto Magalhães. A vitória de Eduardo Campos em 2006 sendo o candidato com menos volume de campanha entre os três principais nomes. A eleição de Elias Gomes em Jaboatão dos Guararapes em 2008 contra toda a retaguarda de André Campos e mais recentemente a vitória do Professor Lupercio em Olinda contra todo poderio dos Urquiza, do PCdoB e de Antonio Campos.

Nem sempre a lógica financeira prevalece. As vezes a coerência e o sentimento de saturação com tudo que está colocado termina forjando novas lideranças. Se porventura Marília conseguir convencer o PT a dar-lhe legenda para a disputa, é muito difícil segurar a onda que está se formando em torno dela, e poderá sacramentar em Pernambuco o fim dessa política tradicional que acha que juntar um bocado de político num palanque é suficiente para convencer um eleitor cada vez mais conectado e saturado com aqueles que representam o passado.



Edmar Lira

APOIO CULTURAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário