terça-feira, 19 de junho de 2018

O vice de Paulo Câmara 
Nas eleições de 2010, na reeleição de Eduardo Campos, o então governador foi fustigado para trocar o seu vice João Lyra Neto, que para muitos não tinha envergadura para exercer o cargo, e inclusive Eduardo chegou a considerar a hipótese sendo demovido da ideia por Fernando Lyra, irmão de João. Animal político, Eduardo acabou entendendo que se substituísse Lyra por outro nome abriria uma fratura difícil de ser curada na campanha.

Em 2000, Raul Henry era vice de Roberto Magalhães, mas acabou sendo substituído por Sergio Guerra, que naquela ocasião estava se aproximando do jarbismo. A troca acabou não sendo bem-sucedida, e a reeleição Dr. Roberto, que estava encaminhada, acabou sofrendo uma das maiores viradas da história política e eleitoral do estado.

Ficou provado nestas duas ocasiões que a troca de vice não é uma tarefa muito fácil para um governante que tenta a reeleição, porém o governador Paulo Câmara não tem outra alternativa, uma vez que não há condições de manter Jarbas Vasconcelos e Raul Henry na chapa majoritária por eles serem do mesmo partido e do mesmo grupo político. Raul será alçado ao posto de candidato a deputado federal e dará lugar a outro nome.

Como não há condições para firulas, pois Paulo Câmara não tem elevada aprovação, caberá ao governador uma saída política e eleitoral para o posto. É preciso reconhecer a força dos partidos que compõem a Frente Popular na hora de fechar essa chapa, e hoje somente três nomes estariam legitimados para este posto. O ex-prefeito de Caruaru, José Queiroz, seria uma opção caso o governador queira repetir Eduardo e Jarbas e colocar um vice do Agreste em sua chapa. Queiroz tem envergadura e força política para o posto, uma vez que governou Caruaru até recentemente e saiu com significativa aprovação.

Outra opção seria o deputado federal Sebastião Oliveira, presidente estadual do PR e herdeiro político de Inocêncio Oliveira, que sempre foi uma grande referência da política pernambucana. Sebastião tem potencial para ser um dos federais mais votados de 2018, mas caso seja convocado pelo governador para a missão de vice-governador, terá um papel importante para toda a Frente Popular, uma vez que parte de seus votos pode ser distribuída com nomes que estejam em situação de maior dificuldade eleitoral. Paulo contemplaria um grupo que foi aliado de primeira hora na histórica vitória de Eduardo Campos que deu início a atual hegemonia do PSB e resolveria a vida de muitos deputados de sua base que estão perigando com parte dos votos de Sebastião.

Por fim, a alternativa Augusto Coutinho surge como uma opção também interessante, mas de difícil execução. Augusto circula bem em todas as matizes políticas do estado, mas assim como Sebastião, está com sua reeleição de federal encaminhada. Seria um excelente vice se não fosse cunhado do senatoriável Mendonça Filho, que está fincado na oposição. A escolha de Augusto lhe causaria um embaraço familiar de difícil desate.

Apesar das três alternativas serem excelentes e caberá ao governador fazer a escolha que melhor lhe aprouver, uma coisa é indiscutível: Assim como Eduardo em 2010, Paulo não pode inventar a roda. Terá que respeitar as forças da sua elástica aliança, e escolher quem tem argumento eleitoral e político para o posto, porque não será com “amigos da cozinha” que o governador vencerá a disputa em outubro, mas sim com toda a Frente Popular com o empenho e os votos de cada ator estratégico para garantir a sua reeleição.


Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário