sexta-feira, 6 de julho de 2018

Retaguarda política de Paulo Câmara ainda lhe confere favoritismo 
Resultado de imagem para IMAGENS DE ANTONIO DE ROQUE E PAULO CAMARA
Candidato a reeleição, o governador Paulo Câmara seguirá liderando uma frente política com a maior quantidade de partidos, lhe garantindo o maior tempo no guia eleitoral e a possibilidade de eleger as maiores bancadas da Alepe, com pelo menos 30 estaduais e da Câmara Federal com pelo menos 15 federais. Os maiores puxadores de votos estarão em sua coligação, o que lhe garante uma boa retaguarda.

Mesmo diante de dificuldades na gestão, a classe política não está identificando nos outros projetos algo efetivo, a prova é que exceto o PSC que oficializou o apoio a Armando Monteiro, os demais partidos que ainda não bateram o martelo quanto ao destino seguem emitindo sinais de que não querem pular para a oposição.

Com financiamento eleitoral cada vez mais escasso, ter a tropa abrigada na estrutura do governo é imprescindível na tentativa de cabalar votos, e os deputados, sejam eles estaduais ou federais, identificam que as estruturas do governo e da prefeitura do Recife contribuem fortemente para que a engrenagem gire e permita a Frente Popular melhores chances de vitória.

Ainda pesa a favor de Paulo Câmara, além da tropa e da experiência em eleições do PSB, o fato de a oposição não ter conseguido imprimir um projeto que possa conquistar o eleitorado. Na dificuldade do governador, Armando Monteiro não conseguiu crescer durante o período do governo, e isso tem pesado muito nas avaliações da classe política de que mesmo não sendo uma maravilha de governo, o projeto oposicionista ainda não conseguiu mostrar que será melhor do que Paulo Câmara.

Faltando menos de dois meses para o início da eleição, Paulo Câmara segue, na ótica da classe política, com chances significativas de vitória em relação ao seu principal adversário, que é o senador Armando Monteiro, sobretudo por ter mantido os apoios mais representativos tanto do ponto de vista partidário quanto do eleitoral.


Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário