segunda-feira, 23 de julho de 2018

Saída do PSDB fragiliza ainda mais Armando Monteiro 
Após o anúncio de que Armando Monteiro seria o candidato das oposições em 11 de junho, a expectativa era que o petebista pudesse criar fatos políticos positivos para a sua postulação, que reunia partidos importantes como PSDB e DEM, que em 2014 marcharam com a eleição de Paulo Câmara. Por ser o maior partido da coligação, cabia ao PSDB a vaga que quisesse na majoritária, indicando o nome que julgasse mais pertinente.

O movimento do anúncio do PSC, que rompeu com Paulo Câmara entregando os cargos, teria todas as condições de fazer de Armando Monteiro um nome bastante competitivo, isso se o petebista tivesse habilidade política para montar uma chapa competitiva. Se André Ferreira quisesse disputar o Senado e Bruno Araújo quisesse indicar o vice, era o caminho mais do que natural para a composição da majoritária, mas se porventura Bruno optasse pelo Senado, teria toda condição de ser o nome, uma vez que é o presidente estadual da sigla e maior liderança do partido, e a André Ferreira caberia ser o vice ou indicar um nome de sua confiança, que poderia ser Fred Ferreira.

Em vez de ficar satisfeito que Bruno Araújo estava disposto a entrar na majoritária, arriscando um mandato líquido e certo de federal, para demonstrar que estava entrando de corpo e alma na campanha de Armando, o petebista optou por apegar-se ao detalhe de Bruno ter sido ministro de Temer. É como se Armando tivesse vergonha de ter Bruno como aliado. O PSDB servia para dar a contribuição do tempo de televisão, mas não poderia indicar seu principal nome para a majoritária.

Armando deu demonstrações de inabilidade quando, nas especulações de que Bruno Araújo seria o nome para o Senado, afirmou ser ele o comandante da aliança e caberia a ele a escolha da chapa completa. A afirmação foi recebida como uma declaração autoritária por parte do petebista, que poderia ter enaltecido a figura de Bruno e dizer que ainda não tinha nada definido para a composição.

Não se dando por satisfeito, Armando sabe lá orientado por quem, decidiu fazer uma visita a Lula na prisão, talvez achando que por isso o eleitor que aprova Lula fosse votar nele. Ledo engano, caberia a Armando, na condição de uma frente política distanciada do PT, falar para o eleitorado não-lulista do estado. Quando Armando fez aquela visita estapafúrdia a Lula conseguiu desagradar a todos. Nem conquistou o eleitorado lulista, que não vai votar nele por causa disso, e ainda ficou mal na fita com o eleitor que desaprova Lula no estado, que agora pode querer outra opção para votar.

Bruno Araújo, relegado a uma condição de total coadjuvante no processo, ficou insatisfeito com a sucessão de erros adotada por Armando, que preocupado com a pecha de palanque de Temer, acabou por perder o principal partido da sua coligação. O ônus de ter um ex-ministro de Temer na sua majoritária seria de longe menor do que o ônus de perder o PSDB, que agora deverá lançar uma candidatura própria ao governo para tentar conquistar o eleitor que Armando com sua atitude de visitar Lula desprezou, e fragilizou ainda mais a candidatura do petebista, que na ótica generalizada da classe política corre um sério risco de minguar no decorrer da campanha porque não conseguiu se posicionar corretamente na conjuntura eleitoral.


Edmar Lira 


Nenhum comentário:

Postar um comentário