quinta-feira, 12 de julho de 2018

Vice não pode atrapalhar o candidato 
Na reta final das definições das chapas majoritárias, dois nomes surgem com grande especulação para as vagas de vice de Armando Monteiro e de Paulo Câmara. A escolha do vice é fundamental porque no caso de reeleição de Paulo, ele terá grandes chances de assumir o mandato em 2022, caso o governador decida ser candidato a algum cargo. No caso de Armando Monteiro, por estar na oposição, ele precisará muito de um vice que não lhe atrapalhe e de preferência que possa agregar eleitoralmente.

Em relação a Armando Monteiro, apesar da sua negativa pública sobre definições da chapa majoritária, o nome de Fred Ferreira vem sendo muito lembrado para o posto. É um candidato com densidade metropolitana, representa parte de um segmento que está em clara ascensão, é jovem e daria a Armando a garantia do empenho irrestrito de Anderson Ferreira na sua eleição, uma vez que os Ferreiras estariam comtemplados na majoritária. A escolha de Fred não atrapalha Armando e ainda agrega aspectos positivos ao petebista.

No palanque de Paulo Câmara muito tem se falado no nome da deputada federal Luciana Santos para o posto, mas é importante frisar que, diferentemente de Fred Ferreira que representa um projeto ascendente, ela vem numa clara decadência eleitoral. Nas eleições de 2014 elegeu-se na última vaga da Frente Popular, e em 2016 amargou um vexatório quarto lugar para a prefeitura de Olinda. Além do mais, a sua entrada na majoritária além de não agregar valor ao governador, poderia afastar aliados, como por exemplo o Professor Lupércio.

Se as eleições fossem hoje, muitos consideram que Luciana tentando um mandato de federal não terá a menor chance de ser reeleita. Alguns já a chamam de ex-deputada em atividade, e se for escolhida para a vice, irá gerar insatisfações na base do governador, pois existem nomes muito mais representativos eleitoralmente do que ela. Vale salientar que se porventura Marília Arraes for candidata, um eleitor mais alinhado com as ideias dela não deixará de votar na sua candidatura para votar em Paulo Câmara por causa de Luciana. Se em 2012 foi importante para Geraldo Julio ter um vice do PCdoB para facilitar o discurso, em 2018 o que pesará mais para o governador é a questão de votos. Paulo precisa muito mais de quem possa distribuir votos com aliados caso seja vice do que ter alguém inexpressivo como Luciana que não tem votos sequer para se eleger federal.

Caberá ao governador Paulo Câmara fazer uma avaliação de atrair alguém que pelo menos seja neutro, e existem nomes muito mais perfilados para a posição do que Luciana, como José Queiroz, Sebastião Oliveira, Maurício Rands e João Paulo por exemplo. Se optar por Luciana, Paulo Câmara estará cometendo um erro estratégico que poderá atrapalhar a unidade da sua ampla frente política.


Edmar Lira

Nenhum comentário:

Postar um comentário