sexta-feira, 3 de agosto de 2018

PT comete novo erro histórico em Pernambuco 
Nas eleições de 2012 o então prefeito João da Costa que tinha o direito de disputar a reeleição foi obrigado a um desumano processo de prévias, mesmo assim saiu-se vitorioso do processo com expressiva aprovação contra Maurício Rands, que era o nome ungido por Humberto Costa para substituí-lo. Apesar de vencer as prévias, João da Costa não levou a candidatura, ficando a critério do diretório nacional dar a palavra final sobre o destino do PT, que rasgando as prévias, indicou Humberto Costa como candidato do partido.

Humberto foi lançado como candidato tendo João Paulo como seu vice, enquanto Eduardo Campos decidiu lançar Geraldo Julio, após assistir de camarote a confusão do PT. Resultado: Geraldo saiu vitorioso no primeiro turno, tendo o então desconhecido Daniel Coelho em segundo lugar do pouco relevante PSDB na capital pernambucana. Humberto acabou ficando em terceiro lugar com menos de 18% dos votos válidos.

Após aquele episódio, o PT perdeu mais duas eleições em Pernambuco, sendo a de governador e senador em 2014 e a de prefeito do Recife em 2016. Em 2018 estava se reconstruindo com a pré-candidatura de Marília Arraes que estava empatada tecnicamente com o governador Paulo Câmara nas últimas pesquisas divulgadas. A ida de Marília para o segundo turno era algo completamente factível, pois ela caiu nas graças da população.

O PT mais uma vez decidiu anteontem, por 17 votos a 8, que realizaria uma aliança com o PSB no estado, prejudicando a postulação legítima de Marília Arraes. Ontem o partido em Pernambuco demonstrou que queria Marília, quando 230 dos 251 delegados, 91,63% dos votos, optaram pela candidatura própria. Apesar da decisão do Grupo Tático Eleitoral ser majoritariamente a favor de Marília, o diretório nacional optará pela aliança com o PSB, pois foi assinada uma resolução que dava poderes ao diretório nacional deliberar sobre o destino do partido em Pernambuco.

Os fatos evidenciam que novamente os desejos da local e da nacional são completamente conflitantes, como em 2012. Naquela ocasião não terminou bem para o PT. É pouco provável que depois de toda esta lambança Humberto Costa saia ileso e com o mandato de senador renovado sem sustos na chapa de Paulo Câmara, pois inexoravelmente a confusão do partido seguirá contaminando o processo eleitoral, levando problemas para o palanque de Paulo Câmara. Agora, verdade seja dita, tudo que foi feito pelo PT na retirada de Marília teve a digital do ex-presidente Lula, que de dentro da prisão segue mandando e desmandando no destino do partido em todo o Brasil.

Vice – O pré-candidato a presidente da República, Geraldo Alckmin, oficializou a escolha da senadora Ana Amélia, do PP do Rio Grande do Sul, para o cargo de vice-presidente na sua chapa presidencial. Ela estava tentando a reeleição para o Senado e estava bem posicionada nas pesquisas mas decidiu entrar nesta missão nacional.


Edmar Lyra


APOIO CULTURAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário