domingo, 9 de setembro de 2018

“Estamos formando um novo grupo”, diz Diogo Moraes negando denominações tradicionais
Evitando se classificar como ‘boca preta’ ou ‘taboquinha’, símbolos de grupos políticos tradicionais, em Santa Cruz do Capibaribe, o deputado estadual Diogo Moraes (PSB), que disputa reeleição em outubro, afirmou que está na formação ‘de um novo grupo, pela cidade’, afim de romper com tradições. “Um grupo que quer o bem de Santa Cruz, um novo horizonte”, disse na noite dessa sexta (07), ao Portal de Redes Sociais, Santa Cruz Online.
O candidato aproveitou o tempo de entrevista para falar sobre seus trabalhos legislativos, funções na 1º secretaria da Alepe e projetos para os próximos anos, caso consiga êxito no pleito. Além disso, fez críticas aos principais concorrentes na cidade, Tallys Maia (Avante) e Alessandra Vieira (PSDB), classificando como ‘candidaturas municipais’.

KMC – Entre os recentes aliados do candidato, estão dois vereadores (Carlinhos da Cohab e Ernesto Maia) que lhe fizeram pesadas críticas, colocando antes o nome de Diogo alinhado ao conhecido escândalo da ‘KMC locadora’. O deputado disse que entende que, naquele momento, eles estavam fazendo o papel legislativo de fiscalizar, percebendo depois que ele não era envolvido.
Diogo ainda lembrou que quando descobriu que uma funcionária fazia parte da empresa, a demitiu e aproveitou para ‘cutucar’ ex-aliado, Edson Vieira (PSDB). “Se eu tivesse envolvimento, estaria com os bens bloqueados”.

Nome forte – Sem garantir conjunturas para 2020, Diogo disse, no entanto, que ‘se fizer pesquisas em Santa Cruz, atualmente, o nome de Fernando Aragão ficará em primeiro’.

Não e não – Ao ser questionado, negou de forma incisiva, possibilidade de aliança política com o ex-deputado, José Augusto Maia (Avante).

Conquistas – Como destaques, o candidato afirma que conseguiu, junto ao governo do estado, benefícios na área tributária para o Polo de Confecções, citando redução de impostos, Programa Expresso Cidadão da Moda e parcerias com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, que foi possível levar ao agreste, máquina de enfesto e corte de tecidos de alta tecnologia, usada com custo baixo por comerciantes da região.


Diogo também se mostrou satisfeito com a duplicação da rodovia PE-160, construção do esgotamento sanitário, andamento das obras da adutora do Alto Capibaribe e emendas destinadas à aquisição de equipamentos para UPA.
Na questão hídrica, com o investimento na adutora do Alto Capibaribe, o governo pretende levar água da transposição do Rio São Francisco para o agreste de Pernambuco, passando pelo Rio Paraíba. De acordo com o socialista, essas foram as prioridades do seu ultimo mandato.
Promessas – Para o possível próximo mandato, o candidato garante que trabalhará no intuito da construção da nova rodoviário para o município. Ele disse que um estudo técnico foi realizado e será usado nos próximos anos. Além disso, fala da necessidade de um Polo da Universidade de Pernambuco, com foco em ciência e tecnologia da atividade econômica local.
Igual, mas diferente – Ao fazer críticas a Tallys Maia e Alessandra Vieira, filho e esposa de ex-prefeito e atual gestor, respectivamente, Diogo foi questionado já que também é filho do ex-deputado Oseas Moraes.

“Meu pai deixou de ser deputado em 99, só fui candidato em 2008 e por conta própria, não foi nada imposto. Fui por vontade própria, por destino. Não nego origens do meu pai e tio, mas não fui imposto é diferente”, afirma.


A entrevista completa, você acompanha no vídeo abaixo;




Ney Lima / Santa Cruz Online


APOIO CULTURAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário