domingo, 14 de outubro de 2018

Bivar ganha protagonismo político local e nacional 
Quando a pré-candidatura de Jair Bolsonaro era apenas um sonho distante, o presidenciável teve que buscar um partido para colocá-la em prática. Era filiado ao PP, mas deixou a sigla rumo ao PSC, que acabou não lhe garantindo a legenda, então iniciou negociações com o PEN no sentido de formalizar a candidatura. Ficou acertado que a sigla mudaria de nome para Patriota, porém novamente ele enfrentou problemas no partido e sua filiação acabou não ocorrendo.

O PSL, comandado por Luciano Bivar, estava iniciando um processo de mudança de nome para Livres, cujo líder era o seu filho Sérgio Bivar. A mudança de nome atrairia diversos segmentos sociais como o RenovaBR, o Movimento Brasil Livre, etc, porém para o PSL continuar existindo ele precisava superar a cláusula de barreira, e a única saída era apresentar uma candidatura competitiva presidencial.

O casamento Bolsonaro e PSL ocorreu no início deste ano, porém com muita gritaria do Livres que ficou insatisfeito com a entrada do presidenciável. Bolsonaro só entrou na disputa porque contou com Luciano Bivar, que foi fundamental para a sua entrada no partido e consequentemente no processo eleitoral. Bivar, por sua vez, estava decidido a não ser mais candidato a nada, uma vez que na eleição anterior não havia logrado êxito na disputa.

Veio o processo eleitoral e Jair Bolsonaro liderou de ponta a ponta a eleição, mesmo com apenas oito segundos de guia eleitoral. O PSL por sua vez lançou sem grandes pretensões nomes para as eleições estaduais deste ano. O casamento quase perfeito foi bom para Bolsonaro, que chegou ao segundo turno presidencial com 46% dos votos válidos, e foi extraordinário para o PSL que não só escapou da cláusula de barreira como se tornou a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados com 52 parlamentares, tornando-se um partido grande na política brasileira suplantando gigantes como MDB, PSDB, PP, PR e PSD.

Líder nas pesquisas do segundo turno com 58% dos votos válidos no Datafolha, Jair Bolsonaro está a duas semanas de ser o próximo presidente da República, e em se confirmando seu favoritismo, o deputado federal eleito Luciano Bivar, sétimo mais votado de Pernambuco, terá um papel fundamental em seu governo, podendo até presidir a Câmara dos Deputados ou ocupar um importante ministério. Em Pernambuco, qualquer que seja a função de Bivar, ele será o principal interlocutor do estado no governo Bolsonaro.

O resultado de 2018 tem tudo para fazer de Luciano Bivar um dos mais importantes políticos de Pernambuco, e quem precisar destravar demandas do estado no governo federal poderá contar com o empenho e a influência dele.


Edmar Lira


APOIO CULTURAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário