quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Datafolha confirma favoritismo de Jair Bolsonaro no segundo turno
No primeiro turno havia uma máxima de que Jair Bolsonaro seria derrotado por qualquer adversário num eventual segundo turno, todas as pesquisas apontavam a sua desvantagem em relação aos seus concorrentes e muitos apressados acreditavam que ele seria derrotado em qualquer cenário.

 As urnas do último domingo trouxeram uma realidade dolorosa não só para estes analistas como aos seus adversários. Ibope e Datafolha, os dois maiores institutos de pesquisa do Brasil, apontavam Jair Bolsonaro com apenas 41% e 40% dos votos válidos, respectivamente. A eleição apontou Bolsonaro com 46% dos votos válidos contra 29% de Fernando Haddad.

As urnas concederam a Bolsonaro a maior votação nominal de um candidato a presidente no primeiro turno de toda a história e fazem dele o favorito a vencer no segundo turno, pois das últimas sete eleições presidenciais, cinco foram resolvidas em dois turnos e em todas as disputas o primeiro colocado do primeiro turno sagrou-se vitorioso na segunda etapa, o que consolida o favoritismo de Jair Bolsonaro na segunda etapa.

O Datafolha divulgou ontem seu primeiro levantamento sobre o segundo turno e diferentemente de suas pesquisas sobre a segunda etapa realizadas antes da eleição, Jair Bolsonaro chegou a 58% dos votos válidos contra 42% de Fernando Haddad. Considerando os votos válidos do primeiro turno, que foram 107.050.673, Bolsonaro chegaria a 62.089.390 votos contra 44.961.282 de Haddad.

A vantagem de Bolsonaro sobre Haddad foi de quase 18 milhões de votos no primeiro turno, e ela seria repetida na segunda etapa, com a diferença de que o candidato do PSL cresceria quase 13 milhões de votos, mesma quantidade de votos obtida por Haddad em relação ao primeiro turno. Para retirar a vantagem de Bolsonaro, a partir de hoje, Haddad precisaria reverter mais de um milhão de votos ao dia, o que é uma tarefa cada vez mais difícil de ocorrer.

Estamos a 18 dias da eleição e não há na história nem na própria conjuntura da eleição, qualquer tipo de perspectiva de virada de Haddad em relação a Bolsonaro, que tem tudo para ser eleito presidente da República no próximo dia 28, quebrando uma hegemonia de quatro eleições presidenciais vencidas pelo Partido dos Trabalhadores.


Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário