segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Eleição da mesa da Alepe ganha ares de pacificação 

Passado o processo eleitoral quando foram eleitos os 49 deputados estaduais com 25 reeleitos e 24 novatos, a Assembleia Legislativa de Pernambuco já respira as articulações com vistas à eleição da mesa diretora. Com sete cargos no comando da Casa, há condições de respeitar a proporcionalidade e atender às maiores bancadas.

Com 11 parlamentares eleitos, o PSB que comanda a primeira-secretaria já trabalha na recondução de Diogo Moraes para o posto. Setores palacianos avaliam que a sua manutenção no cargo é mais fácil de viabilizar do que a construção de um novo nome para o posto. O mesmo se avalia no caso do presidente Eriberto Medeiros, filiado ao PP que possui dez deputados eleitos. Por Eriberto ser um deputado experiente e com excelente trânsito na Casa, não há motivos para disputa pelo cargo, havendo as condições políticas para a sua recondução.

Para os demais cargos, PSC, PT, DEM e PSD teriam direito a reivindicar espaços na mesa, cabendo ao PSC a primeira vice-presidência e os demais partidos poderiam trabalhar os outros quatro cargos restantes da mesa diretora. Porém, este não é o único espaço passível de entendimento entre os partidos. Ainda existem o comando das comissões e as lideranças do governo, da oposição e dos dezoito partidos representados na Casa.

O nome de Priscila Krause parece ser o escolhido pelo DEM para a mesa, Rodrigo Novaes surge como o nome natural do PSD e Teresa Leitão por ser a única deputada reeleita do PT, aparece como favorita para o posto. Já no PSC, há apenas uma dúvida se Guilherme Uchoa Junior ou Manoel Ferreira serão o indicado para a primeira vice-presidência neste primeiro biênio.

Na liderança do governo, o nome do deputado Isaltino Nascimento parece resolvido para o posto, uma vez que desde que ele retornou para a Casa em 2017 que desempenhou com maestria o papel. Enquanto na oposição, por ser do partido de Armando Monteiro, o deputado Alvaro Porto desponta como favorito para liderar os deputados que compuserem a bancada de oposição a Paulo Câmara na Assembleia Legislativa de Pernambuco.

A eleição ocorrerá apenas no dia 1 de fevereiro, quando haverá a posse dos deputados eleitos no último dia 7 de outubro. Até lá as articulações seguirão a todo vapor, sobretudo para o comando das comissões, uma vez que os dois principais cargos, presidência e primeira-secretaria, existem favoritos para a recondução que são os atuais ocupantes.



Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário