sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Os prefeituráveis do Recife após a abertura das urnas 
No último domingo tivemos a definição do Senado, do governo de Pernambuco e das bancadas federais e estaduais. E ainda temos a disputa do segundo turno na eleição presidencial que certamente trará desdobramentos para o futuro do estado. Com a abertura das urnas, alguns políticos saíram fragilizados, outros fortalecidos para a disputa municipal, onde estará em jogo, após oito anos de Geraldo Julio, a prefeitura do Recife.

O atual prefeito encerra seu mandato em 2020 depois de ser ungido por Eduardo Campos no primeiro mandato e ter seu trabalho reconhecido na reeleição, e como ele não estará na disputa, abre-se um precedente para a apresentação de novos quadros. No PSB, apesar de termos dois nomes com força eleitoral para a disputa, Felipe Carreras e João Campos, apenas o segundo está com pinta de candidato pelo partido, pois além de ser filho do ex-governador Eduardo Campos, saiu legitimado pelas urnas como o deputado federal mais votado do estado e da capital.

No PT, depois de ter sido rifada para a disputa pelo governo de Pernambuco pelo seu partido, Marília Arraes que foi a segunda deputada federal mais votada do estado e a terceira do Recife, é o nome natural do partido para o pleito. Será imprescindivel, mesmo com a aliança com o PSB, para o PT a candidatura própria de Marília Arraes ao Palácio Antonio Farias, pois ela tornou-se a segunda maior liderança do partido no estado depois do senador Humberto Costa e está legitimada a entrar na majoritária.

No campo oposicionista, derrotado no último domingo, seis nomes surgem com naturalidade para a disputa que são Mendonça Filho que foi o candidato a senador mais votado do Recife e tornou-se o nome mais forte da oposição para uma eventual majoritária, chegando a derrotar Jarbas na capital, surge como o principal nome para o jogo de 2020 na oposição. Porém ele não é o único, Silvio Costa Filho que foi o segundo deputado federal mais votado da oposição e presidente do maior partido oposicionista em termos de tempo de televisão, o PRB, não tem motivos para ficar de fora da disputa de 2020.

Daniel Coelho que já foi duas vezes derrotado pela prefeitura do Recife, e obteve menos de 40 mil votos na capital, é presidente do PPS e não será candidato somente se não quiser, pois agora tem um partido para chamar de seu e seria o nome do partido para o pleito. Bruno Araújo que foi candidato a senador, se quiser voltar para a política, deverá encarar a disputa pela prefeitura, uma vez que é o único nome do PSDB com envergadura para uma candidatura própria.

André Ferreira também teve uma expressiva votação, tendo sido vereador do Recife e surge como alternativa do PSC para a disputa. Por fim, Luciano Bivar, eleito deputado federal com uma expressiva votação na capital pernambucana, seria o nome natural do PSL para a disputa, sobretudo em caso de vitória de Jair Bolsonaro na disputa presidencial. Se confirmados esses nomes, poderemos ter uma eleição na capital com cara de segundo turno e sendo mais disputada do que foi a eleição para governador, que foi liquidada na primeira etapa.


Edmar Lira


APOIO CULTURAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário