segunda-feira, 5 de novembro de 2018

DRACO é medida importante mas foi mal elaborada 
A criação do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRACO) apresentada pelo poder executivo estadual gerou uma série de críticas nas redes sociais dando a interpretação de que o governo estaria extinguindo a Decasp no sentido de atrapalhar as investigações realizadas pela delegada Patrícia Domingos.

Porém, a medida implementada pelo governo estadual está sintonizada com outros estados, como São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia e Distrito Federal que fizeram recentemente a modificação e ampliaram os recursos e as condições de trabalho de seus departamentos para reprimir o crime organizado, sobretudo os concernentes à corrupção.

A mudança que era para ser percebida pela população como uma coisa positiva, quando o governo investe mais recursos para ampliar a eficácia das investigações e punir eventuais culpados, terminou tendo uma percepção completamente diferente pela sociedade, e o grande culpado foi o próprio governo, que perdeu a batalha da comunicação para a oposição.

A narrativa construída pela oposição terminou prevalecendo nas redes sociais, e deixou o governo Paulo Câmara na defensiva, quando era para ser exatamente o inverso. Se o estado possui apenas uma delegacia e passa a ter um departamento com mais pessoal, mais recursos, e mais estrutura, é indubitável que o combate à corrupção é uma premissa do governo, e não o inverso.

Caberá ao governador Paulo Câmara e seus auxiliares fazerem a partir de agora o contraponto necessário para que os pernambucanos que lhe deram maioria no último dia 7 de outubro para governar por mais quatro anos continuem confiando no projeto liderado pelo governador, que na segurança pública obteve resultados efetivos, e com esse novo investimento na criação do DRACO tem tudo para ampliar o brilhante trabalho que já era desempenhado pela delegada Patrícia Domingos.


Edmar Lira


Nenhum comentário:

Postar um comentário