terça-feira, 4 de dezembro de 2018

PSDB precisará passar por reestruturação em Pernambuco
O PSDB tornou-se um dos principais partidos do Brasil desde a redemocratização, sobretudo quando ascendeu a presidência da República em 1994 com Fernando Henrique Cardoso, em Pernambuco chegou a abrigar nomes como Cristina Tavares, Egidio Ferreira Lima, Roberto Magalhães, João Braga, Carlos Wilson e Sergio Guerra, e chegou ao seu ápice quando elegeu em 1994 Carlos Wilson e em 2002 Sergio Guerra para o Senado. 

Nas eleições municipais, destaque para 1996 com João Braga e 2012 com Daniel Coelho, que tiveram resultados expressivos no Recife, e Elias Gomes, eleito em 2008 e reeleito em 2012 em Jaboatão dos Guararapes, e Raquel Lyra, eleita em 2016 para a prefeitura de Caruaru desbancando um tradicional político da cidade no segundo turno, Tony Gel.

Em 2018 o partido perdeu dois de seus importantes quadros, que foram Daniel Coelho, que optou por filiar-se ao PPS, e Antonio Moraes, que fez a opção de ingressar no PP e foi para a eleição arriscando seu principal nome que foi para o Senado numa disputa incerta tendo uma reeleição encaminhada para a Câmara dos Deputados, que seria Bruno Araújo. Na disputa propriamente dita, o partido que chegou a eleger três deputados federais em 2014, não elegeu um único parlamentar para a Câmara Federal, enquanto na Assembleia Legislativa de Pernambuco, apenas Alessandra Vieira ascendeu à Casa Joaquim Nabuco. 

Na eleição presidencial, o candidato tucano Geraldo Alckmin obteve apenas 1,65% dos votos válidos, perdendo até para o Cabo Daciolo, do Patriota, que atingiu 1,98%, no estado. Alckmin conseguiu piorar o resultado de Aécio Neves em 2014, que obteve pouco mais de 5% dos votos válidos no primeiro turno no estado.

Mesmo tendo saído fragilizado a nível nacional, o partido ainda emplacou João Doria para o governo de São Paulo, o que diminuiu o tamanho da queda, enquanto em Pernambuco, os números das urnas mostram que o partido precisará passar por uma reformulação se quiser ofertar alguma perspectiva de poder no futuro em Pernambuco.

 Não é normal que um partido com os prefeitos de Caruaru, Gravatá, Santa Cruz do Capibaribe e outras cidades do estado tenha sido reduzido a uma deputada estadual eleita em 2018. Para continuar existindo no estado, é fundamental que Bruno Araújo, Alessandra Vieira e os prefeitos do partido chamem o feito a ordem para evitar que um dos principais partidos do Brasil e do estado seja reduzido a pó em 2020.


Edmar Lyra


Nenhum comentário:

Postar um comentário