sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

A vez da direita no Recife em 2020
A eleição de 2020 representa além de um ciclo de oito anos do PSB, a construção de uma hegemonia de duas décadas da esquerda frente à direita na capital pernambucana. O último prefeito de origem conservadora foi Roberto Magalhães, eleito em 1996 e que acabou perdendo a reeleição para João Paulo, do PT, e responsável pela construção da atual hegemonia das esquerdas na capital. 

Daquela eleição até o presente momento foram cinco vitórias de partidos de esquerda, sendo três do PT e duas do PSB, com João Paulo duas vezes, João da Costa uma e Geraldo Julio duas. Inclusive a própria reeleição de Geraldo Julio em 2016 se deu num segundo turno contra João Paulo, excluindo representantes de partidos de direita da disputa propriamente dita.

Nas eleições de 2018 apesar da larga vantagem de Fernando Haddad sobre Jair Bolsonaro em todo o estado, Recife destoou já no primeiro turno quando deu a Jair Bolsonaro a vitória. Na segunda etapa do pleito, Fernando Haddad atingiu 52,5% contra 47,5% de Jair Bolsonaro entre os eleitores recifenses, o que evidenciou um acirramento entre os presidenciáveis na capital. 

Outro resultado que chamou atenção foi a votação expressiva de Mendonça Filho para o Senado, que foi majoritário no Recife, derrotando os eleitos Jarbas Vasconcelos e Humberto Costa, e se dependesse somente do eleitor recifense, haveria um segundo turno entre Paulo Câmara e Armando Monteiro, pois o governador teve apenas 43,41% dos votos válidos na capital.

Com o presidente Jair Bolsonaro em evidência, é possível que um nome alinhado com ele no plano federal conquiste protagonismo na disputa pela prefeitura do Recife no ano que vem. E se porventura o governo dele for um sucesso, o candidato do presidente na capital será difícil de ser batido. Se os partidos alinhados com o presidente Bolsonaro fizerem a leitura correta do jogo, com o lançamento de pelo menos duas candidaturas competitivas, as chances de forçarem um segundo turno serão elevadas, e quem chegar nele com o apoio do presidente poderá quebrar a hegemonia da esquerda que já dura vinte anos.


Edmar Lyra


Nenhum comentário:

Postar um comentário