quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

PSB recusa convite de Bolsonaro para debater a reforma previdenciária
O PSB foi um dos partidos da oposição que receberam convite do presidente Bolsonaro para tomar um café da manhã, em Brasília, para debater com os líderes de bancada a PEC da reforma previdenciária. 

O líder Tadeu Alencar (PE), acertadamente, tem dito que não se nega a conversar com o governo sobre esta reforma, que interessa a todos os brasileiros. Mas estranhou o fato de só terem sido chamados para este café os líderes do PSB e do PDT. Deixaram de fora os líderes do PT, PCdoB e PSOL, que têm posições mais críticas em relação ao projeto. 

Sendo assim, recusou o convite do governo e espera um debate mais amplo no Congresso Nacional. Até agora, pelas contas do ministro da Casa Civil, Onix Lorenzoni, a base do governo na Câmara Federal varia de 350 a 350 deputados, o que evidentemente é uma informação truncada. O governo ainda não organizou a sua base e por isso está sendo criticado até por aliados que estão dispostos a ajudá-lo como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Daí querer garantir a aprovação da PEC com os votos de parte da oposição.

Os sem convite; Não foram convidados para o café da manhã com Bolsonaro os líderes do PT, deputado Paulo Pimenta (RS); do PSOL, Ivan Valente (SP) e do PCdoB, Orlando Silva (SP). Convidado, o líder do PSB, Tadeu Alencar (PE), teve a prudência de consultar a bancada e, por unanimidade, ela decidiu recusar.
Por que não pra todos? 

Do líder Tadeu Alencar (PSB-PE) sobre o fato de o PT, o PCdoB e o PSOL não terem sido convidados para o café da manhã com Bolsonaro onde se discutiria a reforma previdenciária: “Mas, se é para explicar, por que não é para todo mundo?”.

O ministro Onix Lorenzini (Casa Civil) não convidou os partidos de esquerda temendo uma reprimenda do próprio Bolsonaro.


Informações Blog do Inaldo Sampaio


Nenhum comentário:

Postar um comentário