sexta-feira, 5 de abril de 2019

13º do Bolsa-Família reforça compromisso de Paulo Câmara com os mais carentes
O governador foi reeleito em 2018 com 50,7% dos votos válidos, e no ápice da campanha eleitoral fez uma promessa que ganhou a atenção dos eleitores pernambucanos que foi a criação do 13º salário do Bolsa-Família.

Os adversários do governador fizeram críticas ao projeto, sobretudo quando ele foi votado, no ano passado, na Assembleia Legislativa de Pernambuco, afirmando que Paulo Câmara não cumpriria a promessa da campanha eleitoral. Ontem, ele reuniu mais de duas mil pessoas e um grande número de lideranças políticas para fazer o lançamento oficial do programa, que é considerado o maior de transferência de renda, em nível e estadual, do Brasil.

Cerca de 1,2 milhão de famílias serão beneficiadas pelo projeto, que vai injetar anualmente R$ 175 milhões na economia visando fomentar o crescimento no estado. Num momento de grave crise econômica com 13 milhões de desempregados no país, sobretudo com a dúvida da população em relação a eventuais perdas de direitos – patrocinda pelo confuso Governo Bolsonaro, a administração estadual materializa o seu discurso de que sabe fazer mais com menos.

Esse passo dado por Paulo, já no quarto mês do segundo governo, sem sombra de dúvidas, se caracterizou como o maior ato político-administrativo da sua gestão. O socialista reuniu prefeitos, deputados, políticos em geral e setores da sociedade civil para um momento de reafirmação do modelo do PSB de governar, sempre com o foco na fatia mais vulnerável da população.

O governador conseguiu estabelecer um diálogo do seu compromisso com o legado de Eduardo Campos e Miguel Arraes. O que deixou nos aliados presentes a clara sensação de a sua segunda gestão entrou em um novo momento. Um momento de aproximação popular. A frase “inaugurar vida na vida das pessoas”, tão repetida pelos socialistas, colou de vez em Paulo Câmara.


Edmar Lyra


Nenhum comentário:

Postar um comentário