domingo, 28 de julho de 2019

Oposição precisa ter foco para 2022
O PSB venceu as últimas quatro eleições para o governo de Pernambuco, sendo duas com Eduardo Campos e duas com Paulo Câmara, e completará dezesseis anos de hegemonia absoluta em Pernambuco. A atual oposição, disputou com Mendonça Filho em 2006, Jarbas Vasconcelos em 2010 e Armando Monteiro em 2014 e 2018 e perdeu as quatro disputas pela Frente Popular.

 O grande atrapalho foi que mesmo tendo o poder em 2006 não tinha a certeza de que Mendonça Filho seria o nome certo para a disputa, havendo na época uma divisão entre Mendonça, Sergio Guerra e Inocêncio Oliveira, que atuaram para suceder Jarbas. Quando Mendonça foi oficializado, Inocêncio acabou indo para Eduardo Campos e Sergio Guerra ficou a contragosto na base de Mendonça.

Em 2010, Jarbas Vasconcelos foi candidato por falta de nomes e só disputou porque não tinha nada a perder sendo candidato, uma vez que estava no meio do seu mandato de senador. A decisão acabou sendo de última hora, numa campanha completamente desorganizada que sofreu uma derrota acachapante para Eduardo Campos. Já em 2014, Armando Monteiro acabou sendo o nome da oposição, que foi isolada por Eduardo que montou a maior frente política da história de Pernambuco.

 Em suma, Armando queria ser governador mas não se preparou politicamente e eleitoralmente para enfrentar o PSB. Veio a morte de Eduardo que acelerou o crescimento de Paulo Câmara, que foi vitorioso com uma diferença significativa em relação a Armando.

Em 2018, a oposição fez um projeto que teve maior número de lideranças, e novamente apresentou Armando Monteiro. Fortalecida pela passagem pelos ministérios, ela acreditou que seria fácil derrotar o PSB. Ledo engano, novamente Paulo Câmara venceu e mostrou que Armando não tinha se preparado para o jogo eleitoral. O PSB, assim como em 2010 e 2014, fez barba, cabelo e bigode, elegendo o governador e seus dois senadores.

Evidente que 2020 ainda não está na pauta do povo, muito menos 2022, mas para pensar em enfrentar o PSB pelo Palácio do Campo das Princesas, a oposição precisa focar num nome para que ele já possa ser trabalhado durante as eleições municipais, e o único nome que reúne tais condições é o do senador Fernando Bezerra Coelho que terá a missão de rodar Pernambuco fazendo o contraponto ao PSB na condição de líder do governo Bolsonaro e principal interlocutor do governo federal.

 Se ficar na dúvida quanto ao nome para apresentar e à estratégia a ser adotada, a oposição caminhará para um novo fracasso, pois sem foco não tem como convencer o eleitor de que é a melhor alternativa para Pernambuco, o que favorece o PSB a manter a sua hegemonia no estado, pois já tem um pré-candidatíssimo extremamente competitivo que é o prefeito Geraldo Julio.


Edmar Lyra


APOIO CULTURAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário