sexta-feira, 17 de julho de 2020

Clarão no céu do Sertão de Pernambuco foi um meteoro do tipo bólido. Entenda

Imagem capturada em Serra Talhada (Foto: Clima Ao Vivo/Atel Telecom)

O clarão no céu seguido por ruído intenso que surpreendeu moradores de algumas cidades do Sertão de Pernambuco na noite da última quarta-feira (15) e teve ampla repercussão nas redes sociais foi um bólido, tipo de meteoro que atravessa a atmosfera do planeta e, de acordo com a sua inclinação, pode causar um forte lampejo seguido de estrondo. Até o momento, as informações indicam que o fenômeno ocorreu às 18h59min (horário de Brasília) e foi visto também em algumas cidades da Paraíba, do Ceará e da Bahia. As informações são da ONG Rede Brasileira de Observação de Meteoros (Bramon) e do AstroPE - Grupo de Astronomia de Pernambuco.

De acordo com análises preliminares da Bramon, o bólido entrou na atmosfera nas proximidades de Serra Talhada (PE), ficou nítido inicialmente entre os municípios de Princesa Isabel (PB) e Carnaíba (PE) e seguiu na direção sudeste, desaparecendo no céu a sul do município de Arcoverde (PE). A instituição afirma que segue trabalhando em busca de definir a órbita do meteoroide, bem como estimativas de tamanho e massa do objeto. O bólido foi registrado por pelo menos sete câmeras do site Clima Ao Vivo, através de torres da Atel Telecom.

O AstroPE também está investigando a trajetória para descobrir se o objeto deixou algum vestígio físico no solo - material chamado de meteorito. "A grande maioria dos objetos com essas características se fragmentam, se pulverizam ainda no ar. Mas existem também aqueles que conseguem resistir à atmosfera e caem no solo", explica James Solon, fundador e coordenador do AstroPE.

Bólido registrado a partir de Cabrobó (Foto: Clima Ao Vivo/Atel Telecom)
"Inicialmente pensamos na probabilidade de que o objeto fosse uma fireball, que é um meteoro que tem brilho superior ao planeta Vênus. No entanto, essa característica de estrondo resultante de choque com a superfície é mais próximode um bólido, que tem uma maior dimensão e é ainda mais brilhante”, conta Solon. De acordo com o professor, o fenômeno do bólido é mais comum no Sudeste do Brasil, como em São Paulo. A última vez que algo do tipo ocorreu em Pernambuco foi em 15 de outubro 2014, quando um fireball apareceu na Região Metropolitana do Recife.

"Eu e meus pais estávamos dentro de casa quando ouvimos um estrondo muito forte, a princípio pensei que fosse um trovão, mas o barulho foi mais forte que o normal", disse o estudante Ênio Góis, que estava na cidade de Custódia quando o bólido passou pelo Sertão. "Foi uma vez só o barulho. As pessoas comentaram no Whatsapp que viram um clarão antes do barulho".

Ainda noite da quarta-feira (15), boatos no WhatsApp chegaram a afirmar que o clarão se tratava da queda de um avião de pequeno porte. No entanto, a Central de Operações da Coordenadoria de Defesa Civil do Estado de Pernambuco negou a procedência da queda. De acordo como sismólogo Eduardo Menezes, nenhum tremor de alta intensidade foi constatado na região.


Confira no vídeo:



Blog Manhã Nordestina.


APOIO CULTURAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário